Entenda a importância da habilidade de dar e receber feedback

A palavra feedback é de origem inglesa e vem sendo muito utilizada atualmente no setor empresarial. Ela têm como significado “dar resposta, realimentar algo”, mas e no âmbito administrativo? Qual será o real sentido que ela possui? Se utilizada de maneira simplória, o feedback pode tornar-se apenas uma mera ferramenta de apresentação de pontos positivos e negativos em relação ao desempenho de uma pessoa, de uma equipe ou de projeto. Contudo, se o feedback for utilizado com sabedoria e maestria, ele pode tornar-se a ferramenta mais valiosa de um gestor!

De maneira errônea, muitas vezes o feedback pode ser visto como perda de tempo, como um momento desagradável cheio de discussão e críticas. E realmente, se usado de maneira relapsa e punitiva apenas, ele perde seu potencial de transformação, de mudança e realmente torna-se algo pequeno e sem importância. Acaba sendo então, um momento temido pelos envolvidos e não há ganhos para as partes. Portanto, é preciso saber utilizar a ferramenta de feedback e aproveitar ao máximo seu potencial. Afinal, dar feedback não é apenas conversar, é saber falar com consistência, com amor e com a intenção de ajudar. O processo consiste em falar para somar, fazendo críticas construtivas e sugerindo mudanças e novas atitudes.

Quer aprender a usar a habilidade de dar e receber feedback? Então, acompanhe!

Honestidade e clareza: é possível falar para agregar, mas sem denegrir

Lembre-se que como pano de fundo desta ferramenta há o objetivo sincero de ajudar a desenvolver pessoas. Desse modo, arbitrariedade e críticas excessivamente duras afastam o liderado, o deixam nervoso, desmotivado e não o ajudam a se desenvolver. Os comentários durante o feedback devem ser profissionais e não pessoais, evite misturar os dois âmbitos.

Há várias maneiras das mesmas coisas serem ditas, por exemplo: se experimentarmos um sanduíche e este não nos agradar podemos dizer: “- credo, que sanduíche desprezível, ele é horrível, não acredito que comprei isto e etc…” ou podemos dizer: “- é até que o o pão está macio, mas a carne não está muito boa, acho que se o sanduíche tivesse mais recheio ficaria mais saboroso e atrativo”. Por isto, deixe de lado a arbitrariedade e utilize a cordialidade, pois ela impõe respeito de uma maneira positiva e encanta o funcionário. Siga três passos simples e eficientes da chamada “técnica do sanduíche” ao realizar o feedback:

  1. Elogie e ressalte os pontos positivos;
  2. Sugira melhorias e incentive;
  3. Valorize outras características.

Afinal, vale lembrar que o feedback tem por objetivo reforçar comportamentos adequados. Os pontos fracos devem ser citados sim, mas com cautela. Após citá-los, demostre suas expectativas e, ao mesmo tempo, ressalte o quanto você acredita e confia na capacidade do colaborador e/ou da equipe. Torne este momento verdadeiramente motivador! Então, aproveite para depois disto sugerir as metas e para distribuir ações específicas. É preciso clareza para guiar a equipe em suas tarefas. Aproveite e peça opinião, veja se os colaboradores concordam com a distribuição de tarefas ou se têm mudanças para sugerir ou algo a agregar.

A riqueza de receber feedbacks como um observador

Um erro grave durante o processo de feedback é o de não ouvir o colaborador. É preciso separar o aspecto emocional da situação. Afinal, é possível, caso o colaborador não possua maturidade profissional e psicológica, que ele demonstre insatisfação com as falas, que ele se justifique muito, que se vitimize, que fique com raiva, que coloque culpa no outro ou até que faça críticas pessoais ao seu líder. Procure sempre compreender as razões e motivos envolvidos na fala de quem está dando feedback, ouça antes de julgar. Há espaço para discordâncias e até para pequenas discussões, mas lembre-se de manter a calma e a cordialidade e se preciso, cobre esta mesma atitude do colaborador.

É preciso ter serenidade para ouvir como um observador, separando o emocional e o profissional.

Como saber se o feedback está sendo bem aceito?

Observe as reações de quem ouve, veja se a pessoa está atenta, repare nas expressões corporais e principalmente faciais, veja se a pessoa concorda, se ela se sente agradecida pelo apoio e por ser ouvida. Em casos de reação negativa, mantenha a calma, entenda o que o outro está passando, analise as justificativas e reflita sobre as possíveis reações defensivas e de raiva. Posteriormente, posicione-se com firmeza e mantenha a postura motivadora.

Dicas para preparar e aplicar um bom momento para dar e receber feedbacks

Os benefícios de estabelecer o feedback como uma prática constante são vários. Entre eles temos: melhoria de desempenho, boa relação entre líder e a equipe, liderados confiantes e seguros, melhoria de resultado, melhoria da comunicação e integração da equipe e alinhamento estratégico de acordo com os objetivos da empresa. Além disto, o feedback é uma ferramenta de baixo custo e com grande impacto.

Ter a habilidade de dar e receber feedback demonstra ética por parte do líderda empresa. Um gestor com esta habilidade é visto como alguém que trata bem sua equipe e que se preocupa com as pessoas que a compõe. Para a empresa, o feedback traz inúmeros ganhos e ainda consegue reduzir a rotatividade porque há um aumento da satisfação e da lealdade do colaborador com a corporação. Além disso, ajuda a evitar comportamentos inadequados, o que melhora o clima de trabalho e minimiza o absenteísmo.

Então, pronto para adotar a prática de feedbacks? Tem dúvidas ou experiências para compartilhar? Conte pra gente, será um prazer ajudar!

Este artigo foi escrito por Vertex Seguros

31 3280-7000

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d