Descubra como a iluminação do ambiente pode influenciar na saúde dos colaboradores

Toda empresa deseja que sua equipe de colaboradores seja bem focada, que trabalhe bem, produza de maneira satisfatória para assim alcançar bons resultados, certo? Para que isto aconteça é preciso que os colaboradores tenham uma boa saúde, motivação e que trabalhem num ambiente que seja confortável, amigável e adequado ao desempenho das atividades. É por isso, que hoje se fala tanto em ergonomia e a legislação vem cobrando cada vez mais que as empresas façam as adequações necessárias para proporcionar condições de trabalho favoráveis e adaptadas às características psicofisiológicas dos trabalhadores.

A Norma Regulamentadora número 17 (NR-17), conhecida como norma da ergonomia trouxe uma série de exigências sobre mobiliários dos postos de trabalho, equipamentos, condições ambientais e organização do trabalho. E entre estas condições está a iluminação do ambiente. Afinal, a iluminação inadequada pode trazer várias consequências para a saúde do trabalhador e impactar negativamente a produtividade. Então, que tal descobrir como a iluminação pode influenciar na saúde dos colaboradores? Acompanhe com a gente!

NR-17 e iluminação do ambiente de trabalho

A temática da NR-17 é a ergonomia, ou seja, ciência que estuda a relação do homem com o ambiente de trabalho para buscar as melhores condições para a execução de tarefas. A norma fala sobre a iluminação do ambiente e orienta o seguinte:

Para ajudar na adequação existem profissionais especializados que farão as adaptações necessárias segundo as normas vigentes. A iluminação correta ajuda a prevenir acidentes de trabalho, pois não há como evitar aquilo que não se está conseguindo ver. Além da NR-17, existe a padronização da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), vamos compreendê-la melhor no próximo item.

Iluminância de interiores segundo a ABNT

O termo “iluminância”, usado pela ABNT denota a quantidade de luz incidente numa superfície e a área dessa superfície. A NBR 5413, norma possui a temática de iluminância de interiores e descreve os valores em “lux” lux (lx) adequados a cada tipo de atividade como comércio, indústria, ensino, esporte e outras. Um lux é igual a um lúmen por metro quadrado (lm / m²).  A iluminância é independente da direção de onde o fluxo luminoso atinge a superfície, vejamos alguns exemplos práticos:

A iluminância é medida por um instrumento chamado ou luxímetro. Ele usa uma fotocélula que deve ser corrigido por um filtro especial, a fim de coincidir com a curva de sensibilidade V(λ) do olho humano.

Segundo a ABNT, recomenda-se que a iluminância em qualquer ponto do campo de trabalho não seja inferior a 70% da iluminância média determinada segundo a MB-207.

De acordo com a norma a Iluminação geral para áreas usadas interruptamente ou com tarefas visuais simples deve variar de 20 a 50 lux. Já uma área pública com arredores escuros deve ter uma iluminação de 50 a 100 lux. Iluminação geral para área de trabalho com requisitos visuais normais, como escritórios é de 500 a 1000 lux.

Assim, o ideal é que sejam usadas lâmpadas de 60 watts a 100 watts. Para atingir a iluminação adequada seguem algumas dicas:

Impactos na saúde devido a uma iluminação inadequada

Vimos que a iluminação no ambiente de trabalho deve ser uniforme, ou seja, homogênea e controlado. O Ministério do Trabalho fiscaliza a iluminação da área de trabalho que por sua vez, deve apresentar, no mínimo, 500 luxes. Afinal, no quesito iluminação, não se pode “pecar” nem pelo excesso e nem pela falta, pois ambas trazem prejuízos à saúde.

Quando a iluminação é exagerada há uma evaporação maior da película lacrimal, o que causa um déficit na lubrificação dos olhos. Isto pode provocar incomodo, lacrimejamento, irritação ocular e vermelhidão, irritação e até problemas de visão. Com baixa iluminação, há uma tensão maior sobre o que se está fazendo, o paciente vai ficar com os olhos vidrados e o reflexo do piscar fica diminuído, o que causa os mesmos sintomas. Além disso, iluminação insuficiente gera estresse, cansaço, irritação, afetando além do estado físico o estado psicológico do colaborador.

A qualidade da iluminação nos postos de trabalho pode ter um efeito significativo na produtividade da equipe. Alguns estudos apontam que a iluminação adequada promove um aumento de produtividade normalmente no intervalo 10% a 50%. Verificou-se também que uma boa iluminação reduz de 30% a 60%, erros e acidentes de trabalho.

A iluminação insuficiente gera sintomas desagradáveis como: cansaço ou fadiga visual, dores de cabeça, náuseas e dores de pescoço que muitas vezes acompanham o cansaço visual.

Conclusão

Uma iluminação deficiente no local de trabalho pode prejudicar a saúde física ou psicológica de um trabalhador, afetar seu rendimento e acabar provocando um acidente de trabalho. Além disso a iluminância adequada é mais do que um fator de saúde e qualidade de vida, é uma exigência legal.

Cuidar da iluminação é sinônimo de cuidar da saúde da equipe e de promoção da qualidade de vida no ambiente de trabalho. Além disso, pode ser considerada uma estratégia de aumento de produtividade, melhora do ambiente de trabalho e redução de acidentes e doenças ocupacionais.

Ainda na temática de saúde dos colaboradores, vale lembrar: a sua empresa oferece plano de saúde? Não? Então, converse com a Vertex nós podemos te ajudar a fazer as melhores escolhas de planos e atividades de promoção de saúde!

Este artigo foi escrito por Vertex Seguros

31 3280-7000

[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d
[CDATA[ function read_cookie(a){var b=a+"=";var c=document.cookie.split(";");for(var d=0;d